Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.
Fale com o John Deere Journal

Quando aos 16 anos o “menino da roça” Adolar Eckert decidiu agarrar uma oportunidade na Schneider & Logemann Cia (SLC), mal poderia imaginar que se iniciava naquele momento um casamento de 40 anos com o trabalho. Morador da pequena cidade de Boa Vista do Buricá, vizinha a Horizontina, noroeste do estado do Rio Grande do Sul, Eckert se viu diante de um dilema: abandonar os estudos e seguir ajudando na lavoura ou buscar um trabalho na cidade e manter o próprio sustento? O ano era 1977. “Tive uma conversa com meu pai e ele me comentou das dificuldades de recursos  para eu concluir o segundo grau”, lembra. Na época a agricultura familiar ainda era pouca mecanizada e se usava a tração animal para as principais tarefas.

Adolar Eckert funcionário da John Deere que completou 40 anos de trabalho na empresa

A dúvida rondou Adolar por seis meses. “Em fevereiro de 1978, decidi me matricular no Colégio Frederico Logemann e buscar trabalho na SLC. Lembro até hoje dessa conversa com meu pai, de que as decisões seriam muito difíceis e as escolhas não teriam volta”. Ao aceitar o desafio de ser apontador de produção, no setor de fundição da companhia, Adolar sentiu que tinha feito a escolha certa. Afinal, as opções para trabalhar na indústria, sonho que povoava as cabeças dos jovens brasileiros, eram escassas na região. No ano seguinte, os rumores que a SLC faria uma parceria com uma grande multinacional se confirmaram com a venda de 20% da SLC para a maior fabricante de equipamentos agrícolas do mundo, a John Deere.

Foi no mesmo momento em que a região do “cerrado “ começou a ser desbravada pelos gaúchos e as primeiras Colheitadeiras da SLC, ainda pintadas de vermelho, povoavam o que hoje é um dos maiores celeiros agrícolas do mundo.

Já trabalhando na área de expedição, em 1983 ajudou literalmente a “empacotar” e embarcar a Colheitadeira SLC 2200, a primeira com tecnologia John Deere e com a cor verde para ser apresentada em Canela-RS, em um evento com a rede de concessionários. 

Descendente da sexta geração de alemães radicados no sul do Brasil, Adolar logo enxergou outra oportunidade: dessa vez na administração de vendas, ajudando a cuidar do gerenciamento de pedidos, que hoje é conhecido como Order Fulfillment.

1985, ano especial

Nesse setor, ele desempenhou por um longo tempo praticamente todas as atividades da área. “Fui ganhando funções bem mais complexas com o passar dos anos”, conta esse torcedor do Sport Club Internacional, de Porto Alegre, que em 1985 se formou em Ciências Contábeis, na cidade de Santa Rosa.

Aliás, esse foi um ano realmente especial para Adolar, já que foi também quando se casou com Dionice, sua companheira nesta jornada. “Nós nos conhecemos em 1983, no ônibus que nos levava à faculdade em Santa Rosa todas as noites. Saíamos às 18h do trabalho e já pegávamos o ônibus. Na maioria das vezes, o lanche vinha da Nice”. O casal praticamente se formou junto, embora em cursos e universidades diferentes, mas na mesma cidade. Desta união nasceram os filhos Maíra e Érico.

A esposa Nice junto a Adolar Eckert
Com a esposa Nice: “Nos conhecemos em 1983, no ônibus que nos levava à faculdade em Santa Rosa todas as noites. Na maioria das vezes, o lanche vinha dela”.

Em 1991, concluiu sua pós-graduação em Gestão Empresarial. Acompanhou e participou de praticamente todos os fatos marcantes na história da John Deere no Brasil: como a mudança da cor da colheitadeira de vermelho para verde, em 1983; a inauguração da fábrica 2, de Horizontina, em 1989; o início da fabricação de tratores em 1996; a liderança do embarque (logística e pedidos) para a Europa das primeiras colheitadeiras junto à área de exportação, em 1997; e a compra em definitivo da SLC pela John Deere, em 1999.

Equipe reunida com Adolar na fileira do meio, terceiro da direita para esquerda
Equipe reunida com Adolar na fileira do meio, terceiro da direita para esquerda

Em 2002, se tornou gerente de Order Fullfiment para América do Sul e, em 2005, liderou projetos como a implementação interna e em toda a rede de concessionários do primeiro sistema corporativo de gerenciamento de pedidos. No ano seguinte, comandou também o projeto de importação de tratores de pequeno porte da Índia para Brasil.

E como a vida é feita de desafios, em 2008, Adolar Eckert partiu para o escritório de Porto Alegre, com a missão de gerenciar a área de preços para a América Latina. Quatro anos mais tarde, precisamente em janeiro de 2012, um novo chamado, desta vez para o Escritório Regional da John Deere na cidade paulista de Indaiatuba.

Adolar gosta de cinema, teatro e do encontro semanal com os amigos. E, como bom pai coruja, se derrete ao falar dos filhos.

Adolar Eckert recebe homenagem do presidente Paulo Herrmann pelos 40 anos de John Deere
Durante tradicional festa, Adolar Eckert é homenageado pela sua trajetória de 40 anos de John Deere

“Em 2004, a Maíra foi morar um ano em SP para tentar a vida de modelo, mas acabou optando em se dedicar aos estudos e em 2010 se mudou para a Carolina do Norte, nos Estados Unidos, se formando em 2013 em Ciências Políticas e Econômicas”. No mesmo ano, ela partiu para um mestrado na Inglaterra, onde mora e trabalha até hoje. Érico, por sua vez, concluiu o ensino médio em Porto Alegre e acompanhou os pais na mudança para Indaiatuba. Foi difícil deixar para trás as amizades conquistadas. “Hoje em dia, a faculdade, o local de trabalho e seus amigos estão em Campinas”.

Liderando atualmente a área de parcerias, com sua bagagem, Adolar Eckert tem muitos ensinamentos para repassar e é este o seu propósito neste momento. “Temos que ser eternos aprendizes e entregar valor do nosso trabalho, ou pelo talento ou pelo esforço”.

“Além disso, é preciso destacar os fortes princípios de retidão e lisura que regem a empresa”. Uma receita imbatível para um casamento duradouro! No meio social, Adolar já foi líder do grupo de escoteiros em Horizontina no final dos ano 90 e atualmente exerce a função de diretor financeiro do Instituto John Deere, colaborando para que a empresa também seja percebida cada vez mais pela sociedade como uma organização que exerce funções sociais nas comunidades, na educação e no combate à fome.

Adolar Eckert e família em festa de Natal: a esposa Nice, o filho Érico, a filha Maíra, com o namorado
Família reunida é uma de suas maiores alegrias

“A John Deere mostrou o mundo para nossa pequena Horizontina e, com isso, eu vi que havia um mundo lá fora”.
Maíra Eckert, filha de Adolar, que atualmente reside em Londres

Comentar
Comentários