Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.
Fale com o John Deere Journal
Colheita de azeitonas na fazenda de Luiz Eduardo Batalha, localizada exatamente por onde passa o Paralelo 31 do Hemisfério Sul, lugar adequado para plantação de azeitonas e uvas

Quem se deparar com um azeite brasileiro no varejo tem grandes chances de comprar um produto de altíssima qualidade. Só que o consumidor ainda não sabe, porque está acostumado a adquirir rótulos importados, principalmente de Portugal, Itália e Espanha, países com forte tradição nessa cultura que remete a um passado bastante remoto. Fenícios, gregos e romanos já cultivavam oliveiras e extraíam o suco da azeitona, chamado pelo poeta Homero (século VIII a.C.) como ‘ouro líquido’.

Essa viagem no tempo é tão longa que soa estranho dizer que no Brasil a produção começa apenas no século 21. Embora bem novatas na área, algumas marcas nacionais já conquistaram medalhas e reconhecimento no exterior. Até 2020, a estimativa é termos 10 mil hectares de oliveiras plantados em solo brasileiro. Ainda muito distante da Espanha (2,6 milhões), Itália (1,08 milhão) e Portugal (351,7 mil). A produção de azeite nacional representa menos de 2% do consumo do brasileiro.

Empreendedor 24 horas por dia, Luiz Eduardo Batalha descobriu nesse pequeno fruto verde uma fonte de energia para seus negócios. Responsável por impulsionar o mercado de gado Angus ao Brasil, ele se mudou para o Rio Grande do Sul e virou um verdadeiro gaúcho.

Sua fazenda fica em Pinheiro Machado, município a 60 quilômetros do Uruguai, região de forte vocação pecuária. É ali que passa o Paralelo 31 do Hemisfério Sul, que também cruza o Chile, Argentina, Nova Zelândia e África do Sul. 

Luiz Eduardo Batalha segura caixa com parte da produção de azeitonas de 2019

Luiz Eduardo Batalha mostra um pouco dos 540 mil quilos de azeitonas colhidos este ano

Onde tem vinho, tem azeite

Certo dia, ao visitar a fazenda da família Miolo, Batalha se deparou com 3 hectares da plantação de olivas, iniciativa não levada adiante pelo produtor de vinho. “Foi um choque quando vi aquelas árvores dando frutos”, continua. Logo ele, que não bebe vinho e estava totalmente focado na agropecuária.

A partir desse momento, ele começou a viajar, estudar e a plantar em espaço até então não aproveitado na fazenda. “É uma área que nem vaca vai, solo perfeito para as ovelhas, que cortam o capim como tosadeiras. Depois de uns quatro anos da plantação, quando as árvores estão maiores, as ovelhas ficam por ali cuidando e adubando a terra”, lembra.

Luiz Eduardo Batalha e autoridades do Rio Grande do Sul fazem brinde com azeite colhido na safra de 2019
Abertura da colheita é sempre uma festa. Em 2019, com a presença de diversas autoridades, como o deputado estadual Fábio Branco (esq.); a prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas; governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite; deputado estadual, Ernani Polo; Luiz Eduardo Batalha; e o superintendente do Porto de Rio Grande, Fernando Estima

O solo pedregoso, os dias quentes e as noites frias são componentes ideais para o terroir de uvas e olivas. “Onde tem vinho, tem azeite”, explica. Sua plantação atualmente atinge 500 hectares, um belo bosque com árvores medindo 3,5 metros de altura. Na colheita deste ano, realizada em fevereiro, foram alcançados 540 mil quilos de azeitona. Esse momento tão especial reúne toda a família: esposa, três filhos e cinco netos. “Tenho 72 anos e comecei a plantar oliva há apenas nove. Esse é um negócio para durar 200 anos, portanto, caberá a eles seguirem adiante”.

Luiz Eduardo Batalha dirige um trator John Deere
Batalha em um dos cinco tratores John Deere, que usa desde a plantação até a colheita das azeitonas

Para chegar até aqui, com oferta de quatro blends diferentes, foi preciso também importar técnicos de outros países a fim de absorver conhecimento e experiência. Batalha é fã incondicional da John Deere, e se utiliza de cinco tratores nessa plantação, utilizados desde o momento de gradear a linha de plantio até a colheita.

Produção inicial exige paciência

Na John Deere, também podemos encontrar pessoas apaixonadas (e muito) por azeites de oliva. É o caso do Thercio Freitas, que desde muito cedo esteve ligado ao setor produtivo pelos laços familiares e atualmente produz azeite de oliva e pecuária de corte (bovinos e ovinos) na região de Caçapava do Sul. Agrônomo de formação, ele ingressou na John Deere em 2008, na fábrica em Montenegro (RS), como especialista de tratores. Atualmente, está na área de Marketing Estratégico e de Produto para o segmento de Pecuária.

Detalhe dos frutos da oliveira na Fazenda Lanceiros
Fazenda Lanceiros: primeira árvore de oliveira foi plantada em 2005. Hoje, há 3 mil pés distribuídos em 12,5 hectares

A Fazenda Lanceiros é centenária, desde a época de seu bisavô, mas a olivicultura é mais recente. Tudo iniciou em 2005 quando seu pai plantou a primeira árvore de oliveira. “Apenas para fazer um teste de adaptação”, comenta. O resultado inicial foi satisfatório e logo ganhou escala. Hoje, são 12,5 hectares, cerca de 3 mil pés e com perspectivas de aumentar ainda mais a área.

A primeira produção do azeite de oliva, Alma do Segredo, foi seis anos após a implantação do primeiro pomar, em 2012. O nome remete à localidade do Vale da Pedra do Segredo, onde se encontra a fazenda. O pomar está em meio a uma cadeia de montanhas com um microclima característico que confere ao azeite um terroir específico da região. “Ainda hoje há muito o que aprender para aumentar e estabilizar produtividade, mas a qualidade do azeite está excepcional”, assegura.

Garrafas de azeite Alma do Segredo

Primeira produção do azeite Alma do Segredo acontece seis anos após a implantação do primeiro pomar, em 2012

Ao contrário do vinho, o azeite precisa ser fresco para ter boa qualidade. E não é exatamente isso que se encontra nas gôndolas dos supermercados. Ao vir de navio para ser, muitas vezes, envazado no Brasil, o produto sofre com temperaturas inadequadas e má conservação. “Quando chega na mesa do consumidor já perdeu muitas propriedades iniciais. Essa é uma grande vantagem do azeite nacional, que já está no mercado dois meses depois da produção”, diz.  Isso sem falar das fraudes, realidade muito comum e difícil de ser resolvida. “Dizem que há mais azeite de oliva disponível no mundo do que a capacidade de produção dos olivais”, lamenta.

Thercio Freitas e as filhas , na Fazenda Lanceiros
Thercio Freitas e as filhas Ana Carolina (no colo) e Maria Luiza na centenária Fazenda Lanceiros

Processo artesanal será mantido

A família de Thercio Freitas planeja aumentar a produção, mas sem perder o toque artesanal. Sua produtividade encontra respaldo no trator John Deere 5075E, fundamental para ajudar na adubação, pulverização, roçadas, limpeza de canais de drenagem e transporte na colheita.

Em um cenário ideal, uma árvore pode produzir em torno de 40 quilos em estágio de plena produção, cerca de 10 anos após o plantio. Atualmente, algumas plantas chegam a produzir cerca de 15 a 20 quilos no máximo, média bem mais baixa devido à idade do olival. “O tempo entre a colheita e o processamento é chave para o frescor e baixo nível de acidez do azeite. Por isso, queremos continuar a colher a azeitona com as mãos, com muito cuidado, evitando danos aos frutos e selecionando aqueles com o ponto ideal de maturação, bem como ter um processamento mais rápido”, explica.

Trator John Deere 5075E utilizado na Fazenda Lanceiros
O trator John Deere 5075E é utilizado na adubação, pulverização, roçadas, limpeza de canais de drenagem e transporte da colheita
Colheita manual de azeitonas na Fazenda Lanceiros
Proposta da família de Thercio Freitas é continuar a colher a azeitona com as mãos para evitar danos e selecionar os frutos no ponto ideal de maturação
A primeira produção do azeite de oliva da Fazenda Lanceiros ocorreu seis anos após a implantação do pomar, em 2012. Atualmente há cerca de 3 mil pés em 12,5 hectares
Comentar
Comentários