Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus.
Fale com o John Deere Journal

    O sol naquela tarde de agosto não estava para brincadeira. Mas isso não era problema para o grupo que estava visitando a fábrica de Construção da John Deere, em Indaiatuba (SP). A unidade conta com ampla área para testes e demonstrações dos equipamentos – e esse costuma ser o ponto alto das visitas, com manobras, máquinas subindo, máquinas descendo e exibindo todo o seu potencial.

    Foi nesse contexto que a equipe de Comunicação da John Deere encontrou um visitante vindo de bem longe. Era Lailson Pinto Silva, que estava pela primeira vez no Estado de São Paulo. E sua história começa lá no Pará, mais precisamente em Paragominas.

    “Prevenir hoje para não ter de reprimir amanhã.”

    Lema do projeto Menino Feliz

    O município tem mais de 110 mil habitantes, o que a coloca na 284ª posição entre mais de 5,5 mil municípios brasileiros. São 300 quilômetros até a capital, Belém, mas a cidade também está coladinha com outro Estado, o Maranhão. Foi ali que Lailson cresceu. Quando ele tinha oito anos de idade, apareceu uma novidade. Sua mãe ficou sabendo de algo que parecia interessante: era um lugar que oferecia diversas atividades gratuitas para as crianças e jovens. Levou o filho, e o pequeno se encantou com o lugar. Assim, Lailson descobriu o projeto Menino Feliz.

    O programa é uma iniciativa da Polícia Militar, com o apoio de algumas empresas locais. A ideia era proporcionar atividades de educação, cultura e esporte para crianças e jovens durante o contraturno escolar. A iniciativa é uma forma de prevenir a exploração do trabalho infanto-juvenil e promover inclusão e bem-estar social, além de prevenir que os jovens fiquem nas ruas expostos à criminalidade.

    Lailson Pinto Silva recebe certificado, após treinamento na fábrica de construção da John Deere, em Indaiatuba (SP)
    Foi no projeto Menino Feliz que Lailson mexeu, pela primeira vez, em um simulador de máquinas de construção. Era só o começo

    As atividades também são estendidas aos familiares dos jovens atendidos e incluem temas dos mais diversos: reforço escolar, artes plásticas, música, educação religiosa, artes marciais, higiene, combate a incêndios, técnicas agrícolas, educação ambiental, informática e até primeiros socorros.

    Conforme crescia, Lailson foi tendo contato com outros tipos de aula no Projeto Menino Feliz. Uma delas, especificamente, foi muito importante: ele começou a mexer em um simulador de máquinas de construção. Isso era possível porque um dos apoiadores do projeto era uma empresa chamada Traterra.

    O caratê era algo que me ajudava a esquecer o mundo lá fora”

    Lailson, sobre sua aula preferida no projeto Menino Feliz

    A Traterra é uma empresa dedicada às atividades de terraplanagem, construção civil, reflorestamento e mineração. Por conta disso, tem uma frota bastante extensa de maquinário. Com uma forte orientação para o desenvolvimento da comunidade local, a empresa apoia o Projeto Menino Feliz e prioriza seus participantes na hora de contratar aprendizes. E foi assim que Lailson, que já havia se interessado pelo maquinário, foi contratado pela empresa – a princípio como aprendiz e posteriormente efetivado no almoxarifado, na parte de controle logístico de máquinas.

    Estudante de Direito, com sonho de ser juiz

    Ter participado do Projeto Menino Feliz foi algo transformador na vida de Lailson. Ele viu sua vida se desenvolver e pôde trilhar um caminho bastante diferente de muita gente da sua idade na região. Seu desenvolvimento fez com que um grande sonho fosse realizado: Lailson hoje estuda Direito – e seu grande objetivo é ser juiz federal. A gratidão que ele sente pelo programa lhe proporcionou um desejo de retribuir: ele já foi voluntário do Programa Menino Feliz e hoje faz parte de uma organização chamada Ordem DeMolay, uma entidade dedicada a práticas filantrópicas.

    Lailson Pinto Silva esteve pela primeira vez em terras paulistas quando foi a Indaiatuba para um treinamento na fábrica de construção da John Deere
    Lailson, que hoje também se dedica à filantropia, conheceu a fábrica da John Deere Construção, em Indaiatuba (SP). Na foto com Carolina Aboud, responsável pelas visitas na unidade – funcionária Exxmart – e Gilberto Rodrigues, o Giba, da Área de Treinamentos

    Treinamento na John Deere

    A visita de Lailson à fábrica de Indaiatuba foi um treinamento oferecido a clientes da Deltamaq, distribuidor da John Deere na Região Norte. Quando a área de Comunicação o encontrou, inclusive, ele estava no meio da aula prática, mexendo em um trator de esteira. O rapaz fez uma pausa na atividade para nos contar sua história. “Foi uma das melhores experiências da minha vida. Conhecer outros lugares é sempre bom”, conta.

    Lailson Pinto Silva visita a fábrica de maquinário de construção da John Deere, em Indaiatuba (SP), para treinamento
    Treinamento em Indaiatuba foi oferecido pela Deltamaq, distribuidor da John Deere na Região Norte

    “Gostei muito de ver como a fábrica funciona, principalmente a linha de montagem, ver como é a fabricação, do projeto até a finalização. Foi uma experiência nova, pois eu só tinha visto as máquinas na Traterra. Foi um incentivo para eu aprender mais”. Sua estadia na cidade durou três dias. “Conhecer outros lugares é sempre bom. Uma experiência que vai ficar para sempre”. Lailson ainda é bastante jovem: tem 19 anos. Sua trajetória, porém, já é cheia de garra. “O projeto me ensinou a ter mais foco nos meus objetivos”, conta. E força de vontade é o que não falta.

    “Gosto muito da seguinte frase: vencer é uma decisão pessoal e não obra do acaso ou destino.
    A vida sempre nos dá vários pretextos para a gente desistir. Mas eu sempre busco uma desculpa para vencer.”

    Lailson, que planeja se tornar juiz federal

    Comentar
    Comentários