Fale com o John Deere Journal

    Uma boa história pode ser contada de diversos ângulos. Depende dos personagens, de suas criações e seus legados. Escolher um só caminho é tarefa difícil, como acontece justamente nesse momento. Relatar a trajetória da família Lage é extremamente complexa.

    Uma opção é começar o texto contando a história de Otávio Lage, ou apenas dr. Otávio, e a transformação provocada por ele e seus descendentes em Goianésia, cidade de 70 mil habitantes no coração de Goiás.  Outro ângulo seria destacar a consciência ambiental que sempre fez parte dos negócios da família, com projetos nascidos muito antes desses assuntos estarem na pauta das corporações. Uma terceira possibilidade é discorrer sobre o pioneirismo na produção de açúcar orgânico, com a abertura de um mercado até então pouquíssimo explorado no Brasil. Por onde começar, então?

    Optamos pela ordem cronológica: a visão inovadora do dr. Otávio. Goianésia é hoje um município próspero, com universidades, emprego e um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,727, valor considerado alto. Um bom lugar para viver. Se assim é, muito se deve à visão e o pioneirismo do dr. Otávio, que há 40 anos, em 1980, viu no Programa Nacional do Álcool (Proálcool), ação de incentivo à produção de etanol encabeçado pelo governo federal da época, uma oportunidade de aproveitar e potencializar a vocação agrícola do município.

    Dr. Otávio, como todos os chamavam, enxergou na cana de açúcar o ingrediente necessário para impulsionar a economia local

    A cana-de-açúcar já era uma cultura importante e dividia com a pecuária hectares e mais hectares do entorno da Goianésia. A chance estava ali e Otávio chamou outros produtores da região e propôs a construção, em parceria, de uma destilaria.

    Então, com a liderança de Otávio Lage e a participação dos proprietários de terra nasceu, em 1980, a Destilaria Goianésia Álcool S/A. Em 1993, a empresa passou a se chamar Jalles Machado S/A Açúcar e Álcool, homenagem a Jalles Machado, pai do dr. Otávio.

    Atualmente a Jalles Machado é responsável por 3,8 mil empregos diretos e milhares de outros indiretos e produz etanol anidro, industrial e hidratado, açúcar convencional e orgânico, produtos de higiene e limpeza, energia elétrica, levedura e látex.

    De geração em geração, permanece a preocupação dos gestores com questões relacionadas à inovação e boas práticas ambientais. O resultado pode ser percebido também na mudança provocada na cidade de Goianésia, no coração de Goiás

    Em 2011, foi construída uma segunda unidade, também em Goianésia, e, em fevereiro deste ano, a empresa abriu ações na Bolsa de Valores.

    Sustentabilidade e inovação

    Para se tornar uma referência em sustentabilidade e inovação é preciso ter líderes engajados e na Jalles Machado esses conceitos passam de geração em geração. A empresa atualmente é presidida por Otávio Lage de Siqueira Filho, o Otavinho, filho de dr. Otávio. Ele mantém vivos os ideais de seu pai em fazer da empresa uma referência em sustentabilidade e inovação, honrando o nome de seu avô, Jalles Machado.

    Relacionamento com a John Deere tem início com dr. Otávio e continua com as novas gerações no comando

    Alexander Hohl, proprietário da Hohl Máquinas, concessionária da John Deere que atende a Jalles Machado desde a época do dr. Otávio, diz que um dos segredos do sucesso do negócio é o comprometimento social e ambiental da família. “São pessoas corretas do ponto de vista ético e comprometidos com a sociedade e o meio ambiente. São valores que vêm da família”, comenta.

    Joel Soares, diretor de operações da empresa há mais de dez anos, concorda 100%. Destaca que, desde sua fundação, a Jalles tem o perfil de uma empresa empreendedora e com direcionamento no tripé da sustentabilidade. São muitos os exemplos nesse sentido. Um deles é a preservação de 16 mil hectares de mata nativa do Cerrado, denominado Reserva Natural da Jalles Machado. Fica em Cavalcante (GO), município que abrange cerca de 60% da área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Os cursos d’água existentes na Reserva fazem parte da Bacia do Rio Tocantins, a mesma que leva água ao município de Goianésia e garante o abastecimento da empresa.

    Outro projeto antigo, já de 1986, tem um nome instigante: Ame a Ema. É uma ação de conscientização que ajudou a multiplicar as emas da região e tirar o animal do risco de extinção. A Jalles foi também uma das primeiras no País a produzir energia elétrica a partir do bagaço e da palha da cana. Nas áreas agrícolas, a Jalles faz uso de técnicas como rotação de culturas e adubação verde, que consistem em aproveitar resíduos de matéria orgânica da própria empresa na adubação e alternar o plantio de espécies vegetais gramíneas e leguminosas em uma mesma área para devolver os nutrientes do solo, o que também contribui para o controle natural de pragas.

    Entre as várias iniciativas com foco em sustentabilidade, consta a Reserva Natural da Jalles Machado, com preservação de 16 mil hectares de mata nativa do Cerrado

    Outra iniciativa interessante é o controle biológico da broca, lagarta considerada a principal praga da cana-de-açúcar. A Jalles mantém um laboratório na cidade de Goianésia, onde cria a vespa Cotesia Flavipes, predador natural que ataca a broca ainda na fase de lagarta. As vespas são criadas e soltas na lavoura e isso beneficia não apenas os canaviais da empresa, mas também todos do entorno.

    Reserva Natural da Jalles Machado abriga cursos d’água integrantes da Bacia do Rio Tocantins. Proteção desse recursos hídricos ajuda a assegurar o abastecimento de Goianésia e da própria empresa.

    Somam-se a estas uma lista grande de iniciativas de reflorestamento, vendas de créditos de carbono, proteção de nascentes e uso racional de água, apoio às comunidades, educação e outras. Certamente não é pouco!

    Açúcar orgânico inovou o mercado

    A trajetória da Jalles Machado é marcada pela capacidade de adaptação. Quando houve a queda no preço da cana, a empresa optou pela “descomoditização” e passou a investir no açúcar orgânico. “Fazemos açúcar orgânico há 18 anos. Isso foi super inovador naquela época. Mesmo atualmente, você escuta falar de produção orgânica de hortaliças, agricultura familiar, mas assim, em grande escala, é mais difícil. A gente não usa nenhum tipo de químico nem no plantio nem na produção, inclusive no empacotamento”, explica Joel.

    A linha de açúcares orgânicos Itajá, marca da Jalles, está nos quatro continentes, colocando a empresa entre as principais exportadoras do produto no mundo.

    Há 18 anos a empresa investiu na produção de açúcar orgânico, iniciativa pioneira e que colocou a marca Itajá entre as principais exportadoras do produto no mundo

    A produção tem atualmente mais de 15 certificações, que são fundamentais para garantir a credibilidade da linha e o acesso dos produtos a todos os países.

    Operações e segurança

    Quando decidiu mecanizar a colheita, a Jalles Machado já era parceira da John Deere. Assim, todas as colhedoras, desde o início deste processo, são da marca, e este é, segundo Joel, um fator que colabora para a excelência e os bons resultados nas operações.

    “100% das colhedoras são John Deere e todos os tratores pesados também. Nós acreditamos na marca, no conhecimento e no investimento em tecnologia que a empresa faz”

    Joel Soares

    Alexander Hohl destaca também como diferencial a segurança em todos nos ambientes da empresa. “Eles zelam pelas pessoas que trabalham nessas atividades e são muito rigorosos. Entrar na usina é uma burocracia, mas a gente compreende. Tem controle de tráfego, de velocidade, cuidado de segurança. Com tudo isso eles criam o melhor ambiente de convivência social possível”, diz.

    Ampliação do legado

    Dr. Otávio é nome de Hospital em Goiânia – um reconhecimento honroso certamente. Mas, bom mesmo deve ser ter tido a satisfação de ver, ainda em vida, as marcas de progresso que deixou em Goianésia e o legado ambiental e social da Jalles Machado. A história da Jalles é longa e de sucesso. São 40 anos, e os próximos 40 continuam sendo escritos com os mesmos ingredientes de sua receita inicial: pioneirismo, inovação e respeito às pessoas e ao meio ambiente.

    O poema “Valores não Envelhecem”, de Bráulio Bessa, mostra a essência da Jalles Machado em 40 anos de atuação. De verso em verso e rima em rima, renasce na poesia a certeza do sucesso em preservar os valores do passado, com o olhar voltado às inovações para o futuro

    Conheça mais histórias de conexão entre produção no campo e sustentabilidade:
    • Produzir e preservar com adoção do sistema ILPF
    • O campo dos sonhos vira realidade
    • Produzir e regenerar: uma soma possível
    • Inovação é caminho para sustentabilidade
    • Quem planta sustentabilidade colhe um mundo melhor

    Comentar
    Comentários